HISTÓRIA DO SERIDÓ

Ciclo das facções


Anny Fabíola Nunes, empresária - “Queremos dobrar o número de empregos em três anos”. - Foto: Magnus Nascimento / TN

A atividade das facções começou a se desenvolver há quase 15 anos no Rio Grande do Norte e foi conquistando cada vez mais espaço na linha de produção. “Também diversificamos a produção. Começamos fabricando só calças e agora vamos da jaqueta mais complexa ao short mais simples”, afirma o presidente da Associação Seridoense de Confecções (Asconf), Leonardo Ferreira de Azevedo.

A região Seridó é o principal pólo de investimentos na atividade, concentrando mais de 60% da produção e do número de facções no estado.

Indústrias instaladas nessas e em outras áreas do interior recebem diariamente peças cortadas para costurar e enviar para grandes empresas de moda. As roupas chegam em caminhões junto a fichas técnicas que mostram como devem ser montadas.

Dentro das pequenas unidades de produção, ganham forma, peça por peça. A meta de produção, segundo a gerente de uma facção instalada em Acari, Marcília da Guia Baracho de Souza, depende do modelo costurado. “No caso de uma calça jeans, por exemplo, chegamos a fazer 50 peças por hora.

A perspectiva do governo é que o Pró-sertão, movido pelas grandes indústrias, ajude a multiplicar esses números e a catapultar os empregos gerados principalmente na atividade de costura. Só nas facções que deverão ser criadas para atender a Guararapes, serão necessários mais de 10 mil trabalhadores.

O número é próximo à população de Acari e semelhante ao que a fábrica própria do grupo emprega hoje em Extremoz, a 16Km de Natal.

Mais de 60% dessas peças tinham como destino a Hering e o restante era dividido entre a Guararapes e a RM Nor.

TV Tribuna - As Facções costurando o desenvolvimento do Seridó potiguar
Vídeo: TV Tribuna do Norte / Canal Seridó




Indústria boneleira do Seridó potiguar

O segmento de produção de bonés tem movimentado cerca de R$ 72 milhões por ano no Rio Grande do Norte e ainda tem potencial para se expandir mais.

A região Seridó possui o segundo maior polo boneleiro do País. Conta hoje com 80 fábricas, emprega 2.500 pessoas e produz cerca de 3 milhões de bonés por mês. Segundo dados do Sindiboné, 98% dessa produção é vendida para fora do estado. O boné potiguar está na cabeça de brasileiros de todos os estados e na dos militares da missão da paz do Haiti. Já foram produzidos mais de cinco mil bonés para a missão de paz haitiana.

Significado de facção
No Brasil, "facção" é o nome dado às indústrias de confecções e vestuário que fazem seus serviços exclusivamente para outras empresas de confecções, seja indústria ou comércio. Em outras palavras, uma confecção que não possui marca própria, estilistas, desenhistas, lojas.

História do Seridó - OpenBrasil.org

Postagens mais visitadas

Guerra dos Bárbaros

Ciclo da mineração

Nação Tapuia