História do Seridó: Ciclo da energia renovável / Ciclo das facções

Ciclo da energia renovável / Ciclo das facções

Parque eólico instalado na Serra de Santana - Foto: Jean Souza

Parque eólico instalado na Serra de Santana - Foto: Lagoa Nova Destaque

Hoje a nova vedete econômica é a instalação dos parques eólicos. Os estudos preliminares apontaram para esta diretriz devido a serra de Santana possuir os melhores e mais propícios pontos para instalação dos parques.

O potencial eólico da serra de Santana chamou a atenção de investidores que empreenderam ações para essa nova atividade. O investimento na Serra de Santana vai ficar em torno à 2 bilhões de reais.

Além da vantagem para o proprietário da terra onde serão instalados os equipamentos, os royalties da produção, a empresa sinaliza que muitas outras melhorias para os municípios chegarão de forma intensa como a preocupação da empresa na melhoria de estradas próximas aos parques eólicos, geração de centenas de empregos e ampliação do sistema de arrecadação dos impostos para os cofres públicos municipais.

Além de Lagoa Nova que será a maior contemplada, terão ainda investimentos os municípios serranos de Cerro Cora, Bodó, Tenente Laurentino Cruz, São Vicente e Florânia.

Conhecendo a serra de Santana


Segundo o livro Nomes da Terra, de Luiz da Câmara Cascudo, a primeira proprietária de terras na localidade onde hoje é o município de Cerro Corá e Lagoa-Nova foi uma mulher, dona Adriana de Holanda Vasconcelos, que no ano de 1764, recebeu duas Datas de terras. Dona Adriana doou parte da serra que ficava em suas terras a Nossa Senhora Santana, vindo daí o nome a Serra.

A Serra de Santana se estende pelos municípios de Cerro Corá, Bodó, Lagoa-Nova, Ten. Laurentino Cruz sendo as sedes no cume da serra além dos municípios de Currais- Novos, Florânia, São Vicente, Santana dos Matos e Jucurutu.

A atividade desenvolvida econômica na serra de Santana é a produção de frutas tropicais como caju, pinha e graviola; castanha de caju, manga e produtos derivados de mandioca como farinha e fécula (goma); conta também área de plantação de tabaco e acerola.

Na semana santa já é tradição saborear uma boa Umbuzada feito do fruto chamado Umbu que dá no umbuzeiro árvore típica da região.

Aspectos gerais

A nascente do Rio Potengi fica no município de Cerro Corá e sua foz fica em Natal, capital do Rio Grande do Norte. A temperatura média chega entre 22° a 29°C no alto da serra, mas nos meses de junho, julho e agosto as temperaturas podem chegar aos 12°C.

A altitude média da serra de Santana é 700m, Tenente Laurentino Cruz esta à 730 metros de altitude em relação ao nível do mar, sendo assim o mais alto município do Estado do Rio Grande do Norte.

Indústria têxtil impulsiona economia no Seridó potiguar

Anny Fabíola Nunes, empresária - “Queremos dobrar o número de empregos em três anos”. - Foto: Magnus Nascimento / TN

A atividade das facções começou a se desenvolver há quase 15 anos no Rio Grande do Norte e foi conquistando cada vez mais espaço na linha de produção. “Também diversificamos a produção. Começamos fabricando só calças e agora vamos da jaqueta mais complexa ao short mais simples”, afirma o presidente da Associação Seridoense de Confecções (Asconf), Leonardo Ferreira de Azevedo.

A região Seridó é o principal pólo de investimentos na atividade, concentrando mais de 60% da produção e do número de facções no estado.

Indústrias instaladas nessas e em outras áreas do interior recebem diariamente peças cortadas para costurar e enviar para grandes empresas de moda. As roupas chegam em caminhões junto a fichas técnicas que mostram como devem ser montadas.

Dentro das pequenas unidades de produção, ganham forma, peça por peça. A meta de produção, segundo a gerente de uma facção instalada em Acari, Marcília da Guia Baracho de Souza, depende do modelo costurado. “No caso de uma calça jeans, por exemplo, chegamos a fazer 50 peças por hora.

A perspectiva do governo é que o Pró-sertão, movido pelas grandes indústrias, ajude a multiplicar esses números e a catapultar os empregos gerados principalmente na atividade de costura. Só nas facções que deverão ser criadas para atender a Guararapes, serão necessários mais de 10 mil trabalhadores.

O número é próximo à população de Acari e semelhante ao que a fábrica própria do grupo emprega hoje em Extremoz, a 16Km de Natal.

Mais de 60% dessas peças tinham como destino a Hering e o restante era dividido entre a Guararapes e a RM Nor.

Indústria boneleira do Seridó potiguar
O segmento de produção de bonés tem movimentado cerca de R$ 72 milhões por ano no Rio Grande do Norte e ainda tem potencial para se expandir mais.

A região Seridó possui o segundo maior polo boneleiro do País. Conta hoje com 80 fábricas, emprega 2.500 pessoas e produz cerca de 3 milhões de bonés por mês. Segundo dados do Sindiboné, 98% dessa produção é vendida para fora do estado. O boné potiguar está na cabeça de brasileiros de todos os estados e na dos militares da missão da paz do Haiti. Já foram produzidos mais de cinco mil bonés para a missão de paz haitiana.

Significado de facção
No Brasil, "facção" é o nome dado às indústrias de confecções e vestuário que fazem seus serviços exclusivamente para outras empresas de confecções, seja indústria ou comércio. Em outras palavras, uma confecção que não possui marca própria, estilistas, desenhistas, lojas.

História do Seridó - OpenBrasil.org
Página anterior Próxima página